Menu

Fiquei muito assustado. Pensei que ia ser baleado e morrer', diz vítima.
Caminhonete foi colocada em avenida a 2 quarteirões da agência bancária.

 

Um feirante de 41 anos foi rendido pelos criminosos que atacaram uma agência bancária na madrugada desta quinta-feira, em Itaí (SP), e obrigado a montar uma barricada com sua caminhonete para impedir a aproximação da Polícia Militar.  o feirante contou que foram momentos de tensão e medo. "Fiquei muito assustado. Pensei que ia ser baleado e morrer", diz.

O grupo invadiu a agência bancária, localizada na praça das Bandeiras, e explodiu dois cofres. A Polícia Militar chegou após os criminosos fugirem do estabelecimento e não houve troca de tiros.  De acordo com a Polícia Militar, uma equipe policial foi acionada após a ação e informada sobre a barricada realizada pelos carros. Ainda segundo a polícia, não há informações da quantia levada pela quadrilha e ninguém foi preso.
“Estava voltando da feira da lua, por volta das 2h30, quando três homens armados com fuzis e encapuzados me abordaram. Falaram que não queriam nada comigo, só o dinheiro do governo. Então, me obrigaram a montar uma barricada com minha caminhonete. Outras quatro pessoas que passavam pelo local em dois carros também foram abordadas."


O feirante relata que foram obrigados a ajudar. "Os veículos foram usados em trechos da avenida Santo Antônio para possibilitar a fuga dos criminosos e evitar confronto com a polícia. Ninguém foi agredido por eles, só fomos ameaçados a colaborar. Fiquei com muito medo de morrer. O susto foi tão grande que não consegui dormir o resto da madrugada”, relata.
Segundo o feirante, os criminosos ficaram vigiando a rua. Ele e as outras quatro pessoas ficaram sentadas na calçada esperando a ação terminar que, conforme ele, durou 30 minutos.  “Eles pareciam organizados, mas não sabiam a direção da base da PM e perguntaram para mim e para as outras pessoas  ficarem em alerta", conta.

 Ainda de acordo com o feirante, enquanto estava como refém do trio, ele conseguiu ouvir as explosões no banco. “Quando um deles foi atirar para o alto a arma emperrou e fui chamado para ajudar a destravar usando a vareta que mede o óleo da caminhonete. Pensei que ia ser baleado". O caso foi registrado na delegacia e será investigado pela Polícia Civil.

 

 
Top