Menu

Sindicato vai à Justiça pelo 13º dos servidores da Santa Casa de Itaí

O planejamento financeiro de 2016 elaborado por 80 famílias de Itaí acabou desmoronando com a falta do pagamento do 13º salário aos funcionários da Santa Casa de Misericórdia de Itaí. Até agora quase quatro meses após terminar o ano de 2016, nenhum centavo foi pago aos servidores e, a situação mobilizou o Sindicato dos Auxiliares Técnicos de Enfermagem e Trabalhadores de Estabelecimentos de Saúde de Sorocaba e Região (Sinsaúde), que representa os funcionários daquela entidade.

O órgão impetrou ação judicial, requerendo a tutela antecipada, com objetivo de garantir o pagamento do 13º salário referente ao ano de 2016 à categoria. De acordo com informações de Elielson Farias ao  integrante do órgão, o processo tramita no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª região, com sede em Campinas, através da Vara do Trabalho de Avaré. Alguns servidores procuraram a equipe do Jornal  e afirmaram que assumiram dívidas contando com esse pagamento, que faz parte das garantias asseguradas pela Constituição Federal ao trabalhador, mas até agora nada de pagamento.

O representante do Sindicato divulgou que se concedida pela Justiça a tutela antecipada a Santa Casa e a Prefeitura devem assegurar de imediato essa quitação, entretanto quatro meses sem entregar as cestas básicas aumentam o déficit com os funcionários daquela entidade. O Sindicato informou que após regularização da Certidão Negativa de Débitos (CND) e registro da nova provedoria, a Prefeitura efetuou repasse financeiro à Santa Casa, porém, as quitações salarias se referem aos meses de janeiro e fevereiro de 2017.

Elielson informou que mesmo enviando esse recurso à entidade, no valor mensal de R$ 420 mil, não será pago o 13º dos servidores. “Para que isso seja feito a Prefeitura deve repassar um valor a mais, pois esse refere-se a contratualização de 2017”, enfatiza. O prefeito Thiago Michelin teria informado ao Sindicato, que só regularizaria a situação de janeiro para cá, período que assumiu o município. Funcionários ainda estão preocupados com rumores pelos corredores da entidade de que o prefeito estaria intervindo e solicitando a imediata exoneração de 20 deles. No total são 80 funcionários. O Sindicato aguarda decisão judicial.



Entenda o caso

Recentemente o provedor Dr. Nelson Nardocci concedeu entrevista ao Jornal e detalhou os problemas da entidade, que soma dívida milionária de R$ 4 milhões, divididos entre fornecedores dos mais diversos, como de medicamentos até com empresas responsáveis pelos plantões médicos, passando por funcionários sem cestas básicas e o 13º salário. Além destes R$ 4 milhões em débito, existem ainda outros problemas. Um deles diz respeito, de acordo com Dr. Nelson, ao inchaço do quadro de servidores.

No total são 80 a compor a folha de pagamento daquela entidade, no entanto, nove recebiam pela Santa Casa e trabalhavam em outros setores de saúde pública do município, como em Programas Estratégia Saúde da Família (ESF). Com repasses do Sistema Único de Saúde (SUS) sem reajustes há 20 anos, atendimentos beirando 160 pacientes por dia e, sem parcerias via convênios médicos particulares, a única solução é a busca por recursos junto a parlamentares do Governo Estadual e do Federal, através de emendas. Dr. Nelson garantiu que todas as medidas estão sendo tomadas para cumprir sua missão como provedor. “Meu compromisso é prover recursos”, explica. Ele negocia também a gestão hospitalar e contou que a empresa que fornecia médicos para a Santa Casa foi trocada. Para ele, se tudo ocorrer conforme sua programação, dentro de dois anos, a situação financeira irá se normalizar.





fonte (  Jornal Sudoeste )

 
Top